Diferenças entre ciência e filosofia


Filosofia e ciência são dois campos de estudo sobre o ser humano, sobre o mundo e a relação entre as pessoas e os objetos, porém cada uma delas atua de uma maneira específica

Ciência corresponde a um conjunto de conhecimentos sobre os fatos da realidade, que são sistematizados por meio de um estudo preciso e rigoroso. Sua metodologia busca comprovar teses de maneira sistemática e controlada, para verificar sua validade. A ciência envolve todo o conhecimento adquirido através do estudo baseado em princípios científicos.

a filosofia questiona e problematiza a realidade que vivemos, coloca em dúvida os saberes estudados e obtidos, inclusive as produções científicas e as concepções que fundamentam os trabalhos científicos. A filosofia nos convida a refletir sobre o modo como vivemos e como entendemos o mundo, por isso nem sempre é uma prática no sentido objetivo do termo.

Se um cientista descobre um meio de aumentar a produção de petróleo no mundo, o filósofo questiona sobre as implicações na política, na economia e as mudanças sociais que podem ocorrer. Se outro cientista pesquisa uma substância para rejuvenescer a aparência de uma pessoa de idade, o filósofo reflete sobre como isso pode afetar a autopercepção da pessoa ou como será sua relação com os outros.

No início do saber filosófico ocidental, na Grécia Antiga, durante o século VI a.C., não havia distinção entre temas filosóficos e temas científicos, todo filósofo era também um cientista. As ciências metódicas, empíricas e sistemáticas que hoje conhecemos surgiram de especulações filosóficas.

Atualmente, a ciência está muito mais voltada para questões objetivas e práticas. Os filósofos não se ocupam somente de coisas práticas, mas buscam compreender o que envolve certas escolhas e avanços científicos. Enquanto o cientista busca uma tecnologia de comunicação via satélite, o filósofo questiona se essas descobertas estão fazendo com que as pessoas se comuniquem mais ou melhor.

Uma das características da filosofia é ser um saber amplo, que envolve toda uma teia de disciplinas, como o ser humano, a cultura, a ética, a epistemologia, a linguagem, a política, a estética, a ciência, de modo que nada está fora do campo da filosofia. Já caso das ciências, cada uma delas se especializa num campo de estudo e desenvolve pesquisas e trabalhos em sua área.

O saber filosófico é um saber que não está aí para resolver uma questão específica, mas questiona sobre as relações, as ações e os saberes produzidos. É portanto um saber crítico, que problematiza as questões que envolvem nossa vida, mesmo que não haja uma necessidade prática, refletindo sobre o nosso modo de viver e de ver a vida.

Geralmente, os questionamentos da filosofia são voltados para a qualidade das relações e das coisas do que para a quantidade. A ciência costuma se voltar mais à questões quantitativa, fatos observáveis e que possam ser mensurados.

Diferente da matemática ou da física, a filosofia não busca provas mensuráveis de suas investigações, inclusive o questionamento filosófico não busca chegar em conclusões ou leis gerais, como é o objetivo das ciências, mas pretende ampliar cada vez mais a compreensão sobre o que estuda, não com o objetivo de se concluir saberes mas de entender mais.

A própria palavra "filosofia", que significa "amor à sabedoria", demonstra a modéstia de como o filósofo se coloca, ele não é um conhecedor da ciência das coisas, mas um "amante do saber", que se interessa pelo saber não para chegar a um ponto específico, mas para revelar seus sentidos e significados possíveis.

Um cientista pode ser também filósofo, o que torna sua atuação mais ampla e questionadora além de técnica e objetiva, do mesmo modo que um filósofo pode se dedicar também a uma ciência. Cada um tem seu valor em seu modo de atuar, a soma dos dois modos de entender o mundo colabora para um conhecimento mais aprofundado e crítico da realidade.

A psicologia existencialista envolve um lado filosófico, do existencialismo, e outro científico, da psicologia, de modo a promover uma atuação científica que sempre é questionada e problematizada em seu contexto mais amplo, no sentido filosófico. Isso possibilita uma compreensão mais aprofundada sobre o ser humano e seu meio, e sobre tudo mais o que envolve as relações.


Por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial.
Tecnologia do Blogger.